“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. (João 3:16)

Sem dúvida, este é um dos textos mais conhecidos da Bíblia. Acredito ser o mais belo e profundo de todos eles. Isto porque ele sintetiza a história mais linda e fascinante de que se tem conhecimento, a história do amor de Deus pelo homem. Mas será que Deus me ama mesmo?

Não só quando ouvimos falar sobre o amor de Deus mas principalmente em momentos difíceis da vida ou quando coisas muito ruins acontecem somos tentados a fazer-nos esta pergunta. Mas vou contar-lhe algo que me ajudou muito a entender não só esta passagem bíblica como também a ter uma idéia do quanto Deus nos ama.

Há muito tempo atrás, ouvi uma mensagem de um pastor muito abençoado sobre este versiculo tão conhecido, João 3:16. Ele contou que quando ainda era menino ouvia os pastores de sua igreja citarem esta passagem quando o tema da pregação era o amor de Deus. E foi quando uma dúvida surgiu em seu coração. Ele dizia, consigo mesmo, não entender o porquê de os pastores enfatizarem tanto o “amor de Deus” quando pregavam sobre este versiculo. Com sua mente de menino ele pensava: Ora, se foi Jesus quem deixou a sua glória e desceu dos Céus, suportou todo aquele sofrimento aqui na terra e morreu na cruz em meu lugar, por que a Bíblia diz que foi Deus quem amou o mundo de tal maneira? Foi Jesus quem fez tudo! Ele me amou “de tal maneira” e não Deus!

Ele disse que esta dúvida o consumiu por muito tempo e de forma muito cruel porque ele não tinha coragem de expô-lá a ninguém pois, era membro de uma igreja muito tradicional e de doutrina rígida e que temia ser tratado como herege por nutrir tal pensamento.

Ele disse que carregou esta dúvida por muitos anos porém, só até o dia em que ele se tornou pai. Em meio a lágrimas, enquanto dizia estas palavras, ele perguntou a congregação que o assistia se eles sabiam o porquê da dúvida ter desaparecido no momento do nascimento do seu filho. Então, em alta voz, como quem não só responde a uma pergunta mas também junto com as palavras põe pra fora um forte desabafo, ele grita: Arranquem fora o meu braço, mas não encostem um dedo sequer no meu filho! Creio que você pode imaginar a reação daquela plateia ao ouvir este tão forte testemunho. Depois disso, nunca mais tive dúvidas do amor de Deus por mim.

Aprendi com isso que Deus não pode me amar mais do que Ele me ama pois, já me amou tudo o que podia. Aprendi que o Pai não pode me dar mais provas do seu amor por mim porquê Ele já deu tudo o que tinha. Por um momento me coloquei no lugar do Pai e percebi que seria muito menos doloroso para Ele descer aqui na terra para sofrer e morrer em meu lugar, do que deixar todo este encargo e sofrimento nos ombros do seu filho amado, do seu único filho.

Não há nada que eu possa fazer que diminua o amor de Deus por mim. Não há nada o que eu possa fazer que aumente o amor dele por mim. Eu sei que Ele me ama! E aí, o que você me diz? Será que Deus te ama?

Por Leandro Daniel