“Como flechas na mão do guerreiro, assim são os filhos…”Salmos 127.4

A alegria dos pais é ver os filhos vencendo na vida! Por outro lado, não há tristeza maior que vê-los derrotados. Mas, como evitar isso? Quem já tentou arremessar uma flecha sabe que não é nada fácil atingir o alvo. O mesmo se dá com nossos filhos: não é nada fácil fazê-los atingir o alvo da vida.

A lógica da flecha é ir mais longe que o arqueiro. Isto também é verdade em relação aos nossos filhos: queremos vê-los ir mais longe que nós. Mas há algumas condições para que a flecha acerte o alvo. As flechas têm que estar na mão do guerreiro, assim como o sucesso dos nossos filhos está em nossas mãos. Depende muito mais de nós do que deles.

Às vezes, alguns casais dizem que criaram os seus filhos todos da mesma maneira, mas inexplicavelmente, uns saíram-se melhor que os outros. Isso não é verdade! Em primeiro lugar, ninguém consegue criar dois filhos da mesma maneira, pois cada filho é diferente. Além disso, tentar criá-los da mesma maneira é um erro. Assim como um guerreiro percebe as diferenças entre uma flecha e outra e leva isto em consideração na hora de lançá-las, da mesma forma, precisamos “decifrar” os nossos filhos e tratar cada um deles de forma única conforme DEUS nos criou.

É necessário também que haja um alvo bem definido à frente. Quais alvos de vida que você tem colocado à frente dos seus filhos? O que os seus filhos vão ser quando crescer? Qual é a vocação natural deles? É claro que os testes de vocação podem nos ajudar a encaminhá-los, mas a bem da verdade, quem mais conhece os filhos que os próprios pais? Quem melhor para ajudá-los a perceber seus dons naturais? Ajudemos os nossos filhos a ter um alvo de vida, um alvo nobre, digno, que leve em conta as suas forças e fraquezas, sendo felizes, prósperos, maduros, úteis e acima de tudo Homens e Mulheres de DEUS!

Para que uma flecha atinja seu alvo é necessário que o arqueiro tenha braço forte. Isto também se aplica aos nossos filhos. Para que eles atinjam o alvo da vida, os pais precisam ser figuras fortes e marcantes. Precisam exercer autoridade, estabelecer limites e impor regras desde o começo. Você pode até pensar que eles vão te odiar por isto, mas não se engane, no fundo eles sabem que as regras e os limites são importantes, pois transmitem-lhes segurança e os ensina a conduzir a própria vida. São como as faixas de trânsito no asfalto, que limitam a movimentação dos veículos, mas faz com que todos trafeguem em segurança. Eles jamais ficarão magoados com um castigo justo, merecido e bem aplicado. Por outro lado, carregarão na alma, para sempre, a dor da injustiça e da humilhação lhes imposta por seus pais. “Quem se nega a castigar seu filho não o ama; quem o ama não hesita em discipliná-lo.” (Pv. 13:24).

Porém, não basta ter força, o arqueiro precisa ser habilidoso. É preciso também ter habilidade. Uma flecha lançada com força, mas sem habilidade pode atingir qualquer coisa, inclusive o coração do próprio arqueiro. É preciso saber dizer “não”, impor limites, mas também é preciso saber ceder. É preciso dar-lhes espaço para crescer, tomar suas próprias decisões, mesmo sabendo que certas decisões não serão boas para eles. Respeite suas etapas de crescimento, com seus conflitos e necessidades

Tal qual uma flecha depois de lançada, nossos filhos um dia irão embora e terão que se “virar” sozinhos. Encoraje-os a se tornarem independentes e prepare-os para este dia, treinando-os em pequenas, mas importantes tarefas do dia-a-dia, demonstrando-lhes seu amor, afeto e carinho permanentemente. Beije-os, abrace-os e honre-os. Amor não tem contra indicação, carinho não estraga ninguém e afeto não gera desafeto, pois a certeza deste amor incondicional irá ajudá-los a crescer e a vencer! “Pais, não irriteis os vossos filhos, para que não fiquem desanimados.” (Cl 3:21).

Por Márcio Mêndola